“Uma das minhas primeiras lembranças matemáticas, para além da adição, subtracção e divisão, foi a descoberta dos conjuntos. Vou recordar para sempre o momento em que a professora desenhou no quadro preto grandes círculos coloridos nos quais dispôs frutos, animais, cores e uma variedade de elementos que a priori não tinham nada a ver entre si. Havia neste vasto gesto englobante um extraordinário saber: o poder de cercar animais, palavras, coisas e pensamentos selvagens que, antes de serem domesticados, se escondem e galopam furiosamente dentro de universos inacessíveis e solitários. O fascinante não era tanto agrupar, mas, sobretudo na intersecção, juntar. Eu podia graças a ela [à intersecção] juntar o injuntável. Um poder até então inimaginável permitir-me-ia doravante encontrar parentescos nas coisas mais dissemelhantes e criar ‘matematicamente’ quimeras.”
[in Câmara de Descompressão de Mattia Denisse]

Este slideshow necessita de JavaScript.

Câmara de Descompressão é o primeiro livro da coleção Texto-Ilha.
Texto-Ilha desloca-se de um continente feito sólido-livro; contraria as lógicas da compilação; descomplica-se e faz-se estado-nação-solitário. Antes texto num livro, agora livro de texto. Sem estratégia, põe em marcha um método de exatidão temporal: esgota o tempo para ser parte, a sua autonomia cria tempo de leitura. Não sabe ainda que é arquipélago e, mesmo que não o venha a ser, atira-se ao mar. 
Para já, é o único corpo no oceano.


Câmara de descompressão — Mattia Denisse
Coleção Texto-Ilha #1 /x
03, 04 Junho 2011

IMAGEM João Maria Gusmão e Pedro Paiva
TRADUÇÃO Marta Lança
DESIGN Flatland design

100 exemplares
Mimeografia
48 pp.

ESGOTADO