screen-shot-2017-02-17-at-20-29-09

Duplo vê é, ao mesmo tempo, o nome em extensão da letra W (inspirado no título de George Perec, W ou les souvenirs d’enfance) e também o “duplo ver” de um Deus vesgo. Duplo vê poderia ter um subtítulo: ensaio sobre o estrabismo de Deus.

Existe uma tentação provavelmente tão antiga como a aparição do homem: o desejo de ver outras realidades atrás da realidade. Esta disposição multiplica infinitamente as possibilidades de interpretação e o significado das coisas e impossibilita a nomeação das coisas tal e qual como elas são. Este atavismo — ver atrás das coisas outras coisas — nasce duma deformação ocular de Deus, um estrabismo convergente tão pronunciado que se traduz num desdobramento. Estas realidades, assímptotas, não são mais do que o reflexo simétrico do mesmo, uma Tautologia.

O projeto Duplo vê tem três direções autónomas:
1. uma exposição: Duplo vê que esteve patente na Casa das Histórias em Cascais (29 de setembro a 13 de novembro de 2016).
2. um site: www.dupluvedupluvedupluve.com.
3. um livro: Duplo vê. O Tautólogo (disponível a partir de abril de 2017).
Cada manifestação contribui para a totalidade do plano editorial.

Tal como na exposição, o website é composto por 18 mesas sobre as quais estão expostos 258 desenhos. Cada desenho tem a sua idiossincrasia — como um evento particular no desenrolar de uma história —, apesar de pertencer a uma história maior que agrupa vários desenhos como As Metamorfoses das Sombras, A Guerra das Formas, W ou a Vida Selvagem, O Quarto Nupcial do Anti-Globo, A Nova Teoria do Sacrifício ou ainda A História Fantástica do Mergulho. Cada desenho contamina o outro, cada história contamina as outras. A história A está próxima da história C; na história C existe um detalhe que pertence à história B; a história B, por sua vez, tem semelhanças cromáticas com a história F, e por aí adiante. Estas inúmeras combinações alimentam a hipótese de uma história infinita.

O utilizador pode navegar entre mesas e, em cada uma destas, aceder a cada desenho, ao seu título e ao comentário de autores com afinidades eletivas com a obra de Mattia Denisse.

Duplo vê é um projeto de Mattia Denisse e Dois Dias edições. A coordenação do projeto é de Lígia Afonso e o design e implementação do site é da responsabilidade de André Sousa.

“A partir de uma ‘deficiência ocular de Deus’, Mattia fixa o enigma da compreensão do mundo: as coisas são como são (independentemente de como as vemos) ou a realidade é infinitamente inatingível e misteriosa?”
Catarina Alfaro
ler +

Agradecimentos:

André Cepeda, António Silveira Gomes, Bruno Marchand, Francisca Bagulho, Frederico Duarte, Gonçalo Pena, João Maria Gusmão, Marta Lança, Marta Moreira, Natxo Checa, Pedro Paiva, Rui Oliveira, Sara e André, Susana Gaudêncio, Arte Capital. Vídeo Pedro Paiva e Rui Paiva: Sr. Abel Calixto, amigos e esposa, Bernardo Caldeira.

Apoios:

logos_hor_2

%d bloggers like this: